A PROVA DE FOGO DO JOVEM CRISTÃO NA UNIVERSIDADE

Um recente estudo realizado pelo instituto norte-americano Campus Renewal, sediado em Austin, Texas, divulgou que 70% dos estudantes que professavam a fé em Cristo abandonaram a caminhada cristã logo no primeiro ano da vida universitária.

Outra pesquisa similar realizada em 2011 pelo Instituto Barna dava conta que 59% de alunos cristão abandonaram à fé. Já no ano passado (2019), o mesmo estudo já apontava 64%.

Apesar de serem pesquisas realizadas por diferentes instituições em períodos distintos, o fato mostra que os resultados revelam similaridades de proporção estatística e um crescimento importante desse desapego dos jovens universitários ao cristianismo

Qual seria o real motivo que impulsiona este abandono de Cristo, uma vez que estamos falando de um momento de maior necessidade da prática de fé pelos jovens?

Ser aprovado na universidade talvez seja uma das mais sonhadas conquistas de qualquer jovem que deseja ter sucesso na vida.

O outro maior desejo depois disso é sair da universidade com o diploma na mão. E, na terceira posição, fica a vontade de trabalhar na profissão em que se formou.

Observem que estes três períodos na vida de uma pessoa são na verdade um tempo de enormes energias e expectativas. Por isso, para muitos especialistas, este é o momento crucial que coloca em xeque a capacidade do jovem em definir o restante da vida. É exatamente neste momento que é provada a base educacional e psicológica de uma pessoa dita de sucesso.

Mas um ingrediente torna esta fase um enorme desafio é a conciliação da vida cristã com esta panela de pressão que são os pensamentos desenvolvidos nas cátedras.

Deus fica, na verdade, no meio desse sanduíche de emoções, que pode ficar indigesto no final de toda esta história.

Diferentemente do que muitos pensam o problema de um possível desvio de rota na fé cristã não está na filosofia dos professores universitários em si, mas nos relacionamentos que envolvem a juventude neste período.

Muitos psicólogos apontam que este momento é o verdadeiro teste de tudo aquilo que o jovem vivenciou na formação de caráter e cultural. Este seria o primeiro ambiente de liberdade que propicia, ao mais novo cidadão do mundo, a colocação em prática da sua independência.

Mas e o que fazer com Deus num momento tão delicado e sensível?

Nada haveria de se fazer, pois Deus deve ser o sustentáculo para dissolução de dúvidas e incertezas nos diversos momentos e escolhas proporcionadas num ambiente universitário.

A autoafirmação do jovem decorre em inúmeros momentos como: enorme oferta de bebidas alcoólicas, drogas, fumo, sexo e situações ilícitas.

É sabido que a prostituição universitária tem aumentado sensivelmente devido à situação econômica no país. Há diversos alunos que, para completarem a renda e pagarem os estudos, se submetem à venda temporária do corpo para o custeio deste sonho de se formar em uma área.

Este é um assunto escondido por um pseudo tabu de muitas famílias devido à não aceitação de uma determinada realidade. Sem sombra de dúvida, todos os pais deveriam refletir neste tema de maneira a preparar o psicológico dos filhos para enfrentarem este fato, que impacta no futuro destes pequenos.

O salário médio de um estudante universitário não passa de R$ 1 mil, o que impossibilita este jovem de se manter na faculdade. Há casos de jovens que se prostituem e admitem uma renda mensal de cerca de R$ 8 mil, sendo em sua maioria estudantes de classe média-alta.

Ou seja, existem inúmeras forças sócios-econômicas neste ambiente que provocam de forma contumaz a conduta deste jovem. Por isso, coloca-se na frente do jovem cristão um verdadeiro desafio de titãs: passar por todo este ambiente sem ser atingido em seus valores morais e cristãos.

A combinação de uma boa educação familiar e cristã será crucial para o jovem nesta passagem desafiadora, sem frustrações e arrependimentos. Deus deve ser o antídoto para o melhor desempenho acadêmico sem tantos prejuízos. Concluir uma universidade é conquistar o início de uma carreira profissional. É, também, o diploma de autenticidade da fé cristã.

Fernando Hessel
Membro da IPI de Palmas, TO, atualmente na Shores Presbyterian Church, Miami, EUA
Membro do Conselho Editorial de O Estandarte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O ESTANDARTE