“CANTAI AO SENHOR UM CÂNTICO NOVO”

Alegrei-me quando me disseram: Vamos à Casa do Senhor” (Sl 122.1).

Neste momento de pandemia, no qual somos impedidos de nos reunir para prestarmos culto a Deus na companhia dos nossos irmãos e irmãs, é que sentimos quanta falta nos faz irmos à Casa do Senhor para cantarmos, orarmos, ouvirmos a Proclamação da Palavra e participarmos dos sacramentos junto de nossa família na fé.

Nossas igrejas estão vivendo um novo tempo, estão se “reinventando” através de reuniões e cultos transmitidos online. Muitas pessoas nos abençoam enviando hinos, cânticos e mensagens para o louvor, honra e glória de nosso Deus.

A Secretaria de Música e Liturgia (SML), preocupada com este momento, tem colaborado com as igrejas disponibilizando cultos online em datas especiais, como na Celebração da Páscoa e no “31 de Julho”, em comemoração aos 117 anos de organização da IPIB. Para a realização destes cultos, contamos com a participação de pastoras, pastores, oficiais, membros e famílias das IPIs representando todas as regiões do Brasil. Aproveito para agradecer a todos que, com alegria, aceitaram participar dessas celebrações e, também, ao ministro da Educação, Rev. Silas de Oliveira por sua orientação e companheirismo, e aos meus dedicados assessores da SML: Rev. Lucas Bruder de Oliveira, Luiz Otávio Pereira do Carmo e Márcio Roberto Lisbôa.

As liturgias de nossas celebrações seguiram as orientações do Manual do Culto da IPIB e para os hinos e cânticos foi utilizado o “Cantai Todos os Povos” (CTP), hinário oficial da nossa igreja. Sabemos da importância destes dois instrumentos para o fortalecimento da unidade da igreja. Eles se completam e servem de auxilio às pastoras, pastores e lideranças na elaboração dos cultos. Em sua segunda edição, o Manual do Culto recebeu novas liturgias para celebrações especiais e uma adequação ao CTP quanto à sugestão de hinos e cânticos. A SML tem como um de seus objetivos divulgar o CTP e incentivar a utilização do Manual do Culto, preservando a identidade da IPIB.

No dia 16 de agosto, comemoraremos o lançamento, do hinário “Cantai Todos os Povos”, o primeiro hinário oficial da IPIB, lançado por ocasião das comemorações do 1º Centenário da nossa querida igreja.

Dezessete anos se passaram desde o seu lançamento em 2003. Foi um trabalho iniciado em 1989, quando foi nomeada a Comissão Especial de Música e Liturgia com a finalidade de elaborar o hinário da IPIB.

Essa comissão trabalhou com esforço e dedicação, pesquisando e reunindo material para esta publicação. Primeiramente, a comissão iniciou o Projeto Canteiro, composto por seis volumes. Em seguida, passou às pesquisas, seleção de hinos, salmos, organização e produção do que se tornaria o hinário oficial de nossa denominação.

Uma característica importante do hinário é sua organização baseada na ordem litúrgica do culto e seguindo os temas do Ano Cristão, Momentos Especiais da Igreja, Responsos e músicas instrumentais para órgão e piano para serem usadas em prelúdios e processionais. Os hinos foram cuidadosamente escolhidos e vão do Canto Gregoriano até cânticos com ritmos brasileiros. Todos os hinos têm orientações importantes para melhor entendimento e uso, inclusive com orientação de como melhor executá-los com a congregação.

Nosso hinário já passou por duas revisões: a segunda edição publicada em 2006 e a terceira edição em 2017, ano em que comemoramos os 500 anos da Reforma. Esta última, conta com novos recursos para os músicos da igreja. Muitas pessoas estiveram envolvidas nestas três edições do CTP. Elas realizaram um magnífico trabalho, sempre cuidando para que os cânticos fossem fundamentados na Palavra, fortalecendo, desta maneira, nossa fé.

Expresso aqui nossa gratidão a todos que participaram das comissões das três edições do CTP. Tomo a liberdade de repetir as palavras escritas pelo Rev. Assir Pereira, no Canteiro 1, em 1989: “Sonhamos com uma igreja que celebre a jornada, com cânticos de esperança. Esperança para uma terra que tem andado em trevas; esperança para um povo que tem fome e sede de justiça. Que este cântico novo vista nosso país de esperança.”

“Cantai ao Senhor um cântico novo, cantai ao Senhor, todos os povos” (Sl 96.1).

Márcia Furrier Guedelha Blasi, secretária de Música e Liturgia da IPIB e membro da IPI de Botucatu, SP

Márcia Furrier Guedelha Blasi
Secretária de Música e Liturgia da IPIB
Membro da IPI de Botucatu, SP

One thought on ““CANTAI AO SENHOR UM CÂNTICO NOVO”

  • 9 de novembro, 2020 em 17:24
    Permalink

    Irmã Márcia Furrier Guedelha Blasi, secretária de Música e Liturgia da IPIB.

    Fico feliz com todo o esforço relatado nesta matéria “CANTAI AO SENHOR UM CÂNTICO NOVO” e aproveito para propor ações que otimizariam tudo que é feito, além de ajudar na realização de Cultos presenciais e virtuais e preservar o acervo musical da IPIB.

    Integro a 1ª IPI do Recife, onde percebo o esforço da irmã Miriam Colaço em entoar hinos clássicos que suscitam o gosto pelo canto coral que gostaríamos muito de ouvir renascer em nossa e outras igrejas da IPIB. Não raramente, tem que recorrer a vídeos coletados na Internet, inclusive de outras igrejas.

    Imagino a qualidade do coro e acompanhamento musical da sede da IPIB, que também é integrada por igrejas que têm corais expressivos.

    Sugiro, então, a amplificação desse esforço primoroso, com a gravação e disponibilização ao menos para as igrejas filiadas à IPIB áudios e vídeos desses corais entoando hinos e cânticos do hinário oficial “Cantai Todos os Povos” (CTP). Destaco áudios e vídeos para ressaltar a importância da gravação separada das vozes (contralto, soprano 1 e 2, baixo, barítono, contrabaixo e tenor). Isso permitiria não só uma maior qualidade sonora, como também que integrantes da membresia pudessem tentar ensaiar em casa com alguma orientação, e, quem sabe, desabrochasse no (re)surgimento de coros. Sem formação musical, foi com o uso desses recursos, associados ao uso de partituras para as apresentações, que tomamos gosto em participar de corais eu e minha esposa, Maria Ribeiro de Oliveira Moraes.

    Claro que isso não seria feito num único momento. Lembro que antes de cada apresentação coros fazem inúmeros ensaios, que poderiam ser utilizados para a preparação e a gravação dos áudios com vozes separadas. Os vídeos, por sua vez, poderiam ser gravados antes dos cultos, com o templo ainda fechado, para evitar eventuais interferências sonoras, ou quando os hinos fossem cantados nos Cultos, sempre tomando-se o cuidado de garantir microfones por naipes, para melhorar a qualidade musical/sonora.

    Que Deus nos ajude a propiciarmos louvores cada vez mais elevados no Nome de Jesus.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O ESTANDARTE