ESCRITÓRIO CENTRAL ESTÁ MAIS FUNCIONAL E SUSTENTÁVEL

No dia 31/7/2008, quando a IPI do Brasil celebrava 105 anos de organização, a Comissão Executiva da Assembleia Geral promoveu memorável culto de consagração do prédio que passou a ser a nova sede. O edifício recebeu o nome “31 de Julho”, o que não poderia ser mais significativo para os membros da igreja. O prédio localizado na Rua da Consolação, 2.121, em São Paulo, SP, tem onze pavimentos; cinco abrigam departamentos da igreja e 3 andares estão alocados para empresas e para um núcleo de comunicação da Igreja Presbiteriana do Brasil (APECOM). Além do mezanino e o térreo, que são de uso comum, tem um subsolo que está desocupado no momento. O prédio possui elevadores e piso tátil que atendem as normas legais de acessibilidade. No 1º andar, está sendo montado o Museu e Arquivo Histórico da IPI do Brasil.

Passados 12 anos da consagração, uma reforma foi realizada, no mês de fevereiro, nos andares destinados à igreja. Segundo a Reva. Ildemara Bonfim, secretária geral, além de bonito, deixou o Escritório Central mais funcional e sustentável. “É muito bom trabalhar em um ambiente agradável. Quando chegamos ao escritório, em agosto do ano passado, entendemos que algumas reformas seriam necessárias para tornar o ambiente mais funcional”, disse a secretária, que acompanhou tudo de perto juntamente com a administração geral, com a anuência da Diretoria, para que todas as mudanças melhorassem a funcionalidade e promovessem maior aproveitamento dos espaços. O administrador geral, Presb. Arnold Hermann Ferle, falou, na edição passada de O Estandarte, sobre a visão da Diretoria. “Nossa meta é aperfeiçoar permanentemente a prestação de serviços do Escritório Central com o objetivo de tornar ágil e eficaz o resultado em benefício da IPI do Brasil”.

Essas reformas permitiram que o Escritório Central tivesse uma boa organização com modificações simples nos espaços que, com certeza, vão gerar uma mudança positiva para as pessoas e para o ambiente de trabalho. Um exemplo foi o remanejo do andar da diretoria que, antes não tinha um lugar para reuniões pequenas, e quase que diárias, obrigando o deslocamento para outro andar. Agora, a presidência, a secretaria geral e a secretaria da transparência ocupam o 5º andar, onde dispõem de duas pequenas salas para reuniões. No 7º andar, encontra-se a administração geral, a tesouraria geral, estatística e previdência dos pastores e a Editora Pendão Real.

Em um novo espaço, no 6º andar, estão as secretarias de evangelização, educação cristã, o ministério da comunicação e participantes de outros ministérios e secretarias que utilizam o escritório eventualmente, como a Coordenadoria Nacional de Adultos e a Coordenadoria Nacional da UMPI. Ninguém tem posto fixo e os móveis são compartilhados. Esta é uma visão que reflete a busca por redução de custo para a igreja.

Segundo o administrador, não é só no custo que devemos nos fixar, mas na diferença que a gestão traz, ressalvando que a reforma não impactará o orçamento da igreja. “Fazer gestão vai muito além de reduzir custos; às vezes, exigem ajustes cirúrgicos e melhoria de efi ciência e eficácia, além de assegurar sustentabilidade, melhorar o meio ambiente e atender as demandas dos usuários dos serviços prestados”.

Outro motivo para essas mudanças tem a ver com a sustentabilidade. Não é que causa impactos ambientais, mas o escritório visa esses alinhamentos de conceitos relacionados com a mordomia cristã. As ações podem ser pequenas, mas são significativas, tais como a substituição dos copos descartáveis para água e café por copos e xícaras de vidro. O gerente da Editora Pendão Real, Presb. Cleber Coelho, traz sua própria garrafa de água. Para ele, essas mudanças trazem benefícios não só para o escritório, mas para o meio ambiente. “Usar mais arquivos digitais e mais recursos tecnológicos são os próximos passos nesta questão de sustentabilidade”, afirmou o gerente.

A secretária geral frisa que essas ações já estão em andamento. “Não usamos material descartável. Utilizamos o mínimo de impressão. Mitigamos gastos com reuniões por videoconferência. O Escritório Central reflete o que a diretoria propôs fazer: integração, harmonia entre os vários setores, e cuidado com o ser humano e o meio ambiente”, afirmou a pastora.

A diretoria está muito atenta para a importância do momento atual como uma oportunidade para realizar um bom trabalho para que a igreja colha um resultado positivo no futuro. “Nosso momento é de desafios nunca dantes enfrentados. As crises se sucedem implacavelmente e, quando uma termina, outras estão na fila de espera! É desafiador fazer sempre mais, com menores custos e menos tempo, assegurando a melhor qualidade”, afirmou o administrador geral que também enfatizou o privilégio de se poder servir ao Reino de Deus através do Escritório Central. “Só se faz bem aquilo que se faz com paixão. Portanto, trabalhar no Escritório Central, além de ser um privilégio, é também uma oportunidade ímpar de contribuição para aperfeiçoamento dos serviços prestados para IPI do Brasil”.

Sheila Amorim
Membro da IPI de Cidade Patriarca, São Paulo,SP,
Editora da Revista Vida e Caminho, revista da família da IPI do Brasil

vidaecaminho@ipib.org

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O ESTANDARTE