DONS DO ESPÍRITO SANTO

1CO 12.3-13 – DIA DE PENTECOSTES
TEXTOS COMPLEMENTARES: AT 2.1-21; NM 11.24-30; SL 104.24-35; JO 20.19-23; JO 7.37-39

Os textos complementares relembram fatos extraordinários de Deus no mundo. Em Números, o Espírito Santo desce sobre setenta anciãos de Israel, os quais começam a profetizar. A presença de Deus faz com que tremam os monstros e faz fumegarem as maiores montanhas da terra, canta o Salmo. Os textos do Novo Testamento falam sobre a descida do Espírito Santo sobre os seguidores de Jesus. No Evangelho de João, Jesus promete aos discípulos que o Espírito Santo daria vida a seus corpos, como se fossem regados por uma fonte de águas vivas, e sobre eles soprou, para que esta promessa se cumprisse.

No texto que será aqui analisado, o apóstolo trata especificamente sobre os dons do Espírito Santos. Por isso, a análise contará com o auxílio dos textos complementares. O autor faz um interessante estudo sobre a presença do Espírito Santo na vida do crente e sobre os dons com os quais os reveste para o cumprimento da missão que têm de exercer neste mundo. Ele faz sua exposição explorando literariamente a combinação das expressões: “muitos – só um – cada um”.

O exame do texto será feito, acompanhando esta composição literária adotada pelo autor.

Os dons são diversos, mas Deus é um só (1Co 12.4-6)

Há um entendimento geral de que a entrega de dons aos que creem é uma tarefa exclusiva do Espírito Santo. Mas esta parte da epístola dá importante ajuda no entendimento destes mistérios de Deus. Nas três vezes em que o texto fala sobre a diversidade dos dons, comparando-a com a unidade divina, refere-se a Deus, ao Senhor, acima identificado com o Senhor Jesus e ao Espírito Santo. Então, é o Deus único e verdadeiro que assiste as pessoas com os seus dons.

A relação de nove dons registrados nesta parte da epístola permite um exercício de observação. É possível aproximar cada um destes dons às manifestações divinas com o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Deus se torna conhecido ao revelar suas palavras ao mundo. Para tanto, ele precisa de profetas que transmitam a sua palavra, de pessoas que creem no seu santo nome e da capacidade de comunicação de cada um para que possam com ele dialogar. Jesus tornou-se conhecido na terra como varão poderoso em palavras e obras. De muita sabedoria precisam aqueles que desejam alcançar a profundidade de suas parábolas, do sermão que pregou no monte! Quão impressionantes foram os sinais que realizou! O mesmo pode-se dizer sobre as curas, principalmente quando, com o seu sangue, faz sarar a alma humana da mancha mortal do pedado. O Espírito Santo é o que esclarece a confusa mente humana, ampliando o seu conhecimento, sua capacidade de interpretar e discernir os mais profundos mistérios de Deus. Se a comunidade cristã fosse mais atenta a este vivo e dinâmico interagir de Deus no mundo não perderia tanto tempo em infindáveis discussões sobre a Trindade.

Os dons são diversos, mas a finalidade é a mesma (1Co 12.7-10)

O texto é bastante claro: “A manifestação do Espírito é concedida a cada um visando um fim proveitoso”. O proveito último das pessoas na terra é fazer a vontade de Deus. E, neste assunto, também o texto dá uma boa instrução sobre as atividades da santa Trindade na terra. Ele divide as manifestações do Espírito em dons, serviços e realizações, ligando cada um, na ordem, ao Espírito, ao Senhor Jesus e a Deus.

O Salmo recorda e exalta a Deus pelas suas grandes realizações de criação e manutenção das variadas formas de vida que dominam sobre a terra. Os dons do Espírito são proveitosos quando ajudam as pessoas a reconhecerem o poder de Deus na natureza e a adorá-lo pelos seus grandes feitos. Jesus está concluindo o serviço que veio fazer na terra, de tirar o pecado do mundo e ressuscitar para a vida eterna os que nele crerem.

Os dons do Espírito são proveitosos, se ajudarem as pessoas a se sentirem salvas por esta graça e dispostas a anunciar tão grande salvação. No livro de Atos, o Espírito está chegando para dotar os cristãos, que sentiam profundamente a partida de seu Mestre, com todas as qualidades que os ajudariam a não somente suportar a dor de se sentirem separados de Jesus, mas também de transformarem em alegria e regozijo a tristeza que estavam sentindo, a fim de, a partir de Jerusalém, testemunharem para todos os povos que se encontravam na cidade Santa, em suas próprias terras, anunciando as grandezas que Deus a eles fizera e prometera fazer a todos os que nele cressem.

Os dons são vários, mas a responsabilidade é a mesma (1Co 12.11-13)

O texto diz que o Espírito Santo deu, concedeu, distribuiu, segundo a sua vontade, os seus dons a cada um, individualmente. Esta prática é testemunhada no Antigo Testamento. Deus tirou parte do Espírito que estava sobre Moisés e a pôs sobre os setenta anciãos. Em Joel, parece que Deus repartiu os dons para grupos determinados: filhos, filhas, jovens, velhos, escravos e escravas.

Em Atos, são distribuídos na forma de línguas de fogo. A primeira tarefa de quem recebe seus dons é não se esquecer de que os dons são diversos. Tê-los não deve ser motivo de orgulho, porque os outros também os possuem. É preciso conhecê-los, porque eles se manifestam na forma de sinais, de realizações e de serviços. É preciso saber quem verdadeiramente os tem. Nem todos os que estão na congregação os possuem, mas os inscritos por Deus, onde quer estejam. Mas é preciso estar consciente de que os dons que foram dados individualmente a cada um pertencem exclusivamente a ele. Cabe a quem os recebeu a responsabilidade de cuidar deles e destiná-los aos fins para os quais foram preparados, sabendo que terão de deles dar conta no grande e glorioso Dia do Senhor. Enfim, aqueles que têm o Espírito Santo devem estar conscientes da unidade que a todos prende.

Recordando: o Espírito é um só, o corpo; a igreja é uma só. Cristo, a cabeça, é um só. O batismo é um só. Todos beberam da mesma fonte, que é o Espírito de Deus. Enfim, cada crente é um membro, no meio dos muitos que formam o único corpo, a igreja resgatada pelo sangue do Senhor Jesus.


Rev. Lysias Oliveira dos Santos
Pastor Jubilado da IPI do Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O ESTANDARTE