REV. SEBASTIÃO GOMES MOREIRA

Pastores da nossa história, da nossa memória e do nosso coração

No calendário de eventos festivos da IPIB, o dia 14 de junho é reservado para a devida, honrosa e merecida homenagem aos nossos pastores jubilados. A referida data traz consigo um simbolismo todo especial. Trata-se do dia do nascimento, no ano de 1900, do Rev. Sebastião Gomes Moreira, que viveu 99 anos e era também conhecido como o “Leão do Norte”.

O seu pioneirismo no desenvolvimento de ações pastorais relativas ao ministério presbiteriano independente nas regiões norte e nordeste do Brasil, a sua coragem, ousadia e determinação, associadas ao compromisso com a pregação do evangelho de Jesus Cristo, motivaram seus companheiros de ministério a honrá-lo com esse título tão significativo e singular.

As qualidades que contornam o referido título são definidoras das características ministeriais imprescindíveis para qualificar a vocação pastoral daquele tempo.

Elas continuam sendo necessárias para conduzir e motivar a vocação da igreja que tem as suas ações alicerçadas no projeto de expansão missionária, o qual é o fundamento da ampliação e consolidação do reino de Deus. Os símbolos e suas representações traduzem os desejos que permeiam a mente e coração do ser humano na sua individualidade.

Quando esses desejos são compartilhados coletivamente, tendo Deus e seu reino como maior inspiração, tais desejos se efetivam como ações de uma prática ministerial que motiva e consolida a vocação do povo de Deus. Desta forma, os símbolos permanecem em cada cristão como sinais visíveis das experiências que orientaram a sua trajetória e, por isso, permanecem como lembranças que não o deixam esquecer dos que já foram e quais caminhos percorreram para chegar ao que é hoje.

Servem também para orientar na caminhada de retorno, quando for necessário revisitar o caminho que percorreram para construir a sua história.

Como ícones que sintetizam as aspirações que envolvem a vocação pastoral da igreja, desde as suas origens, as representações que envolvem a designação com a qual foi honrado o Rev. Sebastião Gomes Moreira podem caracterizar também a vida e o ministério de muitos outros pastores, que deixaram marcas indeléveis na trajetória da espiritualidade de muitas pessoas e de muitas igrejas no cenário presbiteriano independente.

Juntamente com a coragem, com a ousadia, com a determinação e com a eloquência na proclamação da Palavra de Deus, o cuidado pastoral também se apresenta como um outro componente importante e de singular relevância do ministério pastoral na história do presbiterianismo brasileiro.

As marcas desta característica permanecem, ainda hoje, na memória de todos os que, ao menos uma vez, ocuparam o lugar de ovelhas e desfrutaram do cuidado de um pastor zeloso com a sua vida pessoal, com a sua vida familiar e com a vida do todo o seu rebanho.

O melhor exemplo desse tipo de cuidado é o testemunho do ilustre filho de um pastor presbiteriano independente. Refiro-me ao excepcional contista brasileiro, Orígenes Lessa, que descreve as suas memórias sobre o ministério pastoral de seu pai, o Rev. Vicente do Rego Themudo Lessa, com as seguintes palavras:

“Pastor nato, guia de almas, sereno, autêntico nos gestos, prudente no aconselhar, meu pai dedicava o melhor do seu tempo à tarefa da visitação. Todos os enfermos do seu mundo o tiveram à beira do leito, palavra de conforto não convencional, oração ardente pela cura, humildade diante dos mistérios do Eterno… Pouco tinha para oferecer aos pequenos necessitados além daquele clima de calor humano” (Lessa, Orígenes, Um Rosto Perdido – Contos, 6ª Edição Rio de Janeiro, José Olympio, 2004. O conto do qual o texto citado foi retirado é: Viúvas, Enfermos e Encarcerados – p. 96).

Com a naturalidade própria de alguém que faz das palavras a melhor forma de expressar os sentimentos humanos, Orígenes Lessa, mesmo sem intenção explicita, faz a melhor, a mais verdadeira e emocionante homenagem aos pastores jubilados da IPIB.

Os pastores da nossa história, da nossa memória e do nosso coração, com coragem e determinação desbravadora, com zelo e cuidado com suas vidas pessoais e familiares, com o cuidado pastoral com a vida do seu rebanho, tendo como intenção maior a consolidação da fé, da esperança e da fidelidade a Deus no coração de sua igreja, ciosos do especial cuidado aos mais necessitados, dedicados ao estudo cuidadoso da Palavra de Deus, comprometidos com a exposição segura e sólida da mensagem do evangelho, dedicados à leitura destinada ao aperfeiçoamento e ampliação de seus conhecimentos em saberes, temas e conteúdos de dentro e de fora da teologia, líderes que tinham como suficiente para suas vidas a presença e o cuidado de Deus e, mesmo tendo outros afazeres profissionais, tinham como prioridade a dedicação ao serviço do Reino de Deus.

Com essas singelas palavras, deixo meu abraço respeitoso, afetuoso e sincero a todos os queridos pastores jubilados da nossa igreja.

Vocês são sinais visíveis da presença viva da Palavra encarnada, da graça, do amor e do cuidado de Deus, que restaura a alma, sustenta a espiritualidade consistente de uma comunidade e conduz a igreja na direção de Cristo Jesus, Senhor da vida, da fé e da esperança.


Rev. Calvino Camargo
Pastor da IPI do Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O ESTANDARTE