UMA IGREJA NO ÚTERO DE DEUS

A crise não é o fim.

O COVID-19 não é o apocalipse.

Aliás, lembrando bem de Apocalipse, o último livro da Bíblia, no último capítulo, no versículo 13, está escrito: “Eu sou o Alfa e o Ômega, o Primeiro e o Último, o Princípio e o Fim”.

Deus deu o início de tudo e é Ele, somente Ele, que determina o fim. A crise é real, porém mais real que a crise é o nosso Deus! Ele é capaz de fazer “com que todas as coisas cooperem para o bem daqueles que o amam” (Rm 8.28). Aquele que confia no Senhor, mesmo no ano de sequidão, dá fruto e consegue enxergar o bem porque as suas raízes estão na fonte de água viva (Jr 17.5-8).

Fruto?

Bem?

Sim!

A crise é a oportunidade de vermos a ação de Deus e de termos o privilégio de participar dela.

Eu assisti um vídeo de apenas alguns minutos gravado por uma irmã da igreja para encorajar as irmãs que servem no SEARA, um ministério de mulheres que servem a Deus com arte e amor que, em virtude do isolamento social, não podem se reunir. Deus lhe mostrou um feto sendo gerado com todo o amor, cuidado e proteção. Nesse tempo de instabilidade, de crise, quando poderia parecer que é o fim da aventura humana na terra, há esperança, há vida sendo gerada!

Algo novo está sendo criado por Deus que criou todas as coisas, é antes de todas as coisas e, nele, tudo subsiste (Cl 1.16 e 17). Estamos no útero de Deus, onde há amor, cuidado e proteção, mas também, de modo assombrosamente maravilhoso, o Criador está nos moldando, nos formando porque uma nova igreja, com um novo jeito, está vindo ao mundo!

Em tempos difíceis, a Igreja de Cristo cresceu. Vemos isso na história. No nosso tempo difícil, a Igreja de Cristo crescerá. Vamos fazer história! No impedimento de nos reunirmos, no confinamento, no isolamento social estamos aprendendo a ser igreja de um jeito que nunca fomos.

Estamos aprendendo que não precisamos fazer evangelização de porta em porta porque nós entramos nas casas das pessoas a qualquer hora, ao vivo e a cores com telas de 4, 32, 43, 65 polegadas ou mais, ou numa gravação que pode ser vista e revista quantas vezes quiserem, e ainda curtida e compartilhada com quantas pessoas quisermos.

Estamos aprendendo que Facebook, Instagram e afins podem ser muito mais do que promoção pessoal de uma imagem, de uma vida nem sempre verdadeira, mas, sim, instrumentos poderosos disponíveis para os servos de Deus proclamarem a sua Palavra, um púlpito com redes e fibras óticas ainda mais eficiente do que o de madeira ou de acrílico.

Estamos aprendendo que podemos nos reunir para adorar a Deus e sentir a sua presença maravilhosa sem precisar colocar a “roupa de domingo”, mas de pijama mesmo, na sala de casa. Verdadeiramente Deus não habita em templos feitos por mãos humanas, mas em templos feitos pelas mãos do Criador, habitação do Espírito Santo.

Estamos aprendendo que a comunhão está muito mais no coração do que na presença física. Juntos, um pastor de Campo Largo, PR, num templo vazio, pega o seu violão e canta a fidelidade de Deus e, no mesmo instante, o seu pai de 87 anos, de frente para o seu smartphone, pega o seu bandolim e o acompanha cantando Tu és Fiel, Senhor, lá de sua casa em Miguel Pereira, RJ. Comunhão que não se perde na distância.

Comunhão possibilitada pela tecnologia, bênção de Deus!

Estamos aprendendo que Deus outrora já falou muitas vezes e de muitas maneiras aos nossos pais, pelos profetas, na tradição oral, nos pergaminhos, em templos dominicais, nas praças, nos folhetos, rádios e tvs, agora também pode falar por WhatsApp, Youtube, lives e aplicativos sem fim. Ninguém segura Deus!

A bênção da tecnologia, dessas descobertas que a igreja está fazendo, não é temporária.

A igreja não vai voltar a ser o que era, depois que tudo isso passar. Somos uma igreja reformada sempre se reformando, segundo as Escrituras! A igreja não para nem retrocede. A igreja de Cristo avança e as portas do inferno não prevalecerão jamais contra ela (Mt 16.18)!

A crise, o ano de sequidão, pode bem ser uma daquelas coisas que Deus usa para cooperar para bem daqueles que o amam. Um novo jeito de ser igreja e anunciar o evangelho até os confins da terra está sendo gerado. Deus continua sendo Criador e muito criativo. Vamos abrir a nossa mente e o nosso coração para o novo de Deus!

Vamos fazer parte dessa geração de uma igreja que se comunica com o seu tempo e faz história! Quando a crise passar, vamos voltar a nos encontrar, a dar e a receber aquele abraço caloroso! Vamos nos reunir nos templos e nas casas, mas não vamos nos esquecer do que estamos aprendendo. Não somos dos que retrocedem, mas avançamos para o alvo. Vamos andar de acordo com o que já alcançamos (Fp 3.16).


Vera Keiko Suzuki Machado
Membro da IPI do Itaqui em Campo Largo, PR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O ESTANDARTE