NATAL – TEMPO DE DEUS

“Vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei” (Gl 4.4).

O grande plano de Deus é o da redenção da humanidade. Deus projetou, a partir da eternidade, o modo como salvaria o ser humano, perdoando seus pecados. Neste período, quando o cristianismo se volta para as festividades do Natal, lembramos que o Advento, ou seja, a expectativa pela manifestação de Deus na pessoa do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, é um acontecimento que celebramos, a respeito do qual os profetas falaram. No texto acima, Paulo dimensiona a realidade do Natal que devemos celebrar, mostrando que Deus é fiel e pontual nos seus planos eternos.

Paulo escreve: “Vindo, porém, a plenitude do tempo”. O tempo de Deus é exato e foi exatamente na plenitude dele que o seu plano realizou. Isso mostra que Deus tem seu tempo certo para também intervir em nossa vida. Diante dos problemas e das dificuldades, temos de crer que Deus age no tempo certo. Na história da redenção foi assim: no tempo certo, Deus enviou seu filho. Aqui, temos dois pontos de suma importância: 1) Deus Pai enviou Deus Filho para cumprir uma missão: salvar o ser humano. Essa é uma realidade universalmente aplicável a toda a criação. Isso mostra o seu profundo amor para conosco. Jesus é Deus se revelando a nós, trazendo esperança e vida.  2) Nascido de mulher. Aqui, Paulo mostra a autêntica humanidade de Jesus Cristo. Depois de dizer sobre “seu Filho”, Paulo nos diz que é nascido de mulher. Fica autenticado que Jesus era verdadeiramente Deus e verdadeiramente ser humano. Jesus nasceu, cresceu e experimentou todas as limitações do ser humano por amor.

Paulo continua, dizendo: “Para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos” (Gl 4.5). Dois conceitos teológicos de suma importância são destacados aqui: Resgatar significa reaver o que lhe pertencia por direito de criação. Jesus veio justamente para nos resgatar da escravidão do pecado. Jesus nos resgatou da morte e nos deu vida. Adotar significa que aquele que era escravo, agora adotado, se torna filho, com direito a toda herança de Deus, em Cristo Jesus. Estávamos presos e fomos libertados. Passamos a fazer parte da família de Jesus. Somos co-herdeiros com Ele. Como crentes em Jesus Cristo, vivemos duas grandes e maravilhosas realidades. A primeira é a da celebração daquilo que Deus fez por nós. A segunda é a da expectativa, pois aguardamos a sua segunda e gloriosa vinda. Natal é isso!

Rubem Alves, em seu livro “O infinito na palma da sua mão”, define assim o Natal: “O Natal, antes de ter acontecido em Belém, se formou no coração de Deus! O Natal nasceu da tristeza de Deus. Ele olhou para os seres humanos e os viu totalmente perdidos, fora do caminho. “Andavam desgarrados como ovelhas, sem saber que caminho tomar”(Is 53.6). Uns perdiam a vida para ganhar dinheiro, mas, quanto mais ricos ficavam, mais infelizes também. Outros, fascinados pela ciência, devoravam livros, acumulavam saberes, sem que os seus saberes os tornassem mais sábios. Alguns se matavam para ter poder, mas o seu poder os tornava feios e fracos. Outros viviam para o prazer e terminavam por comer tédio de sobremesa. Por isso aconteceu o Natal!”  

Natal é Deus conosco! No tempo certo, nascido de mulher, uma criança veio para nos salvar da morte para a vida!

Rev. Marcos Nunes da Silva
Pastor da IPI Vila Carrão, SP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O ESTANDARTE