FRUTOS DA PARCERIA ENTRE A IPIB E A PCUSA

Em minha opinião, escrever sobre os frutos da parceria entre a IPIB e a Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos (PCUSA) é uma tarefa que eu jamais esgotaria. A razão é simples: essa abençoada parceria foi iniciada antes de eu começar meu ministério pastoral, ou seja, no ano de 1983.

Mas posso falar sobre o que vi e vivi após a minha ordenação em 1988, pois, logo a seguir, passei a viver mais intensamente a história dessa parceria, principalmente a partir do momento que passei a servir a então Secretaria de Missões (SMI) da IPIB, primeiro nas funções de executivo e, posteriormente, na função de Secretário de Missões.

Escrevo esse texto nessa perspectiva, mas também na perspectiva de alguém que serviu a PCUSA nos Estados Unidos como missionário enviado pela IPIB.

Servindo a SMI, pude constatar desde o princípio o valor que a PCUSA dava à parceria com a IPIB.

Embora houvesse diferenças em termos de recursos financeiros e membresia, era evidente que existia um relacionamento igualitário, que era refletido sobretudo na não ingerência de uma das parceiras sobre assuntos pertinentes da outra.

Não era um relacionamento igual ao que houve nos primórdios do Presbiterianismo no Brasil, quando a igreja mãe determinava o que era bom para a igreja filha, mas era um relacionamento entre duas igrejas autônomas, cientes de seus respectivos papéis, respeitando-se a despeito de suas diferenças.

Esse é, em minha opinião, um dos muitos frutos daquela parceria com benefícios para ambas as igrejas.

Por um lado, isso atestava o reconhecimento da maturidade teológica e missionária da IPIB.

Por outro lado, pelo lado da PCUSA, ela encontrou uma parceira que entendia que aquele relacionamento era de mão dupla, o que se materializou mais tarde com a IPIB e a PCUSA trabalhando juntas, enviando missionários e recursos para outras Igrejas Presbiterianas da América do Sul, como Bolívia, Chile e Venezuela, bem como com a IPIB enviando missionários e recursos para a igreja irmã nos Estados Unidos.

O envolvimento da PCUSA em inúmeros projetos em solo brasileiro rendeu muitos e belos frutos, nas áreas teológica e missionária/diaconal.

O Projeto Sertão, o Projeto Tocantins, os Centros de Treinamento Missionário (CTM), o Projeto Rio Grande do Sul foram projetos que, no âmbito da SMI, tiveram participação efetiva da PCUSA.

A PCUSA aportava recursos financeiros, deixando nas mãos da IPIB o desenvolvimento do projeto de acordo com o que a IPIB estabelecia.

Mas a IPIB também participava com seus próprios recursos que, dentro das respectivas condições, eram tão substanciais quanto os recursos vindos do exterior.

Houve também casos de missionários cedidos pela PCUSA para servir em projetos no Brasil. Esses missionários, embora coninuassem com seus vínculos com a igreja norte-americana, estavam totalmente submissos às orientacões e política estabelecidas pela igreja brasileira, a nossa amada IPIB.

O envolvimento da PCUSA em projetos no Brasil gerava para os irmãos norte-americanos o fruto da inspiração para o seu próprio ministério.

Era nesse espírito que o Rev. Benjamin Gutierrez, então coordenador para a América Latina do Departamento de Missões Mundiais da PCUSA, anelava por trazer ministros de seu país para conhecer o que a IPIB estava fazendo.

Assim, nos anos 90, uma grande comitiva, liderada pelo Rev. Cliff Kirkpatrick, que era o secretário executivo daquela denominação, participou de uma conferência missionaria realizada pela SMI.

Não posso deixar de falar sobre o envio de ministros da IPIB para servir como missionários junto à PCUSA.

Essa fase da parceria começou em conversas durante a conferência missionaria citada acima. O Rev. Brice Little, entao executivo do Presbitério San Gabriel, veio participar da conferência com o intuito de iniciar conversações para a ida de um pastor da IPIB, para servir à crescente comunidade de brasileiros na Califórnia.

Foi assim que o Rev. Jairton Barros de Melo foi escolhido para aquele ministério.

Um outro exemplo para o ministério nos Estados Unidos foi o estabelecimento de parceria entre o Presbitério de São Paulo da IPIB e o Presbitério do Sul da Nova Inglaterra da PCUSA (PSNE), também nos anos 90.

Em julho de 2001, eu vim para os Estados Unidos para substituir o Rev. Cláudio Carvalhaes. E, me envolvendo não só com o PSNE, mas também em outros níveis da estrutura organizacional da PCUSA, eu pude sentir mais intensamente o quanto a IPIB era admirada por estas bandas e o quanto os respectivos ministérios daqueles que para aqui foram enviados servia de inspiração para eles, sobretudo pela criatividade no ministério pastoral voltado para a integralidade do indivíduo a ser alcançado pelo Evangelho.

Para finalizar, gostaria de enfatizar um outro aspecto muito interessante e importante para a PCUSA nessa parceria com a IPIB.

Houve um momento em que, por algum tempo, a IPIB começou a enviar recursos financeiros para o Presbitério do Sul da Nova Inglaterra em apoio ao ministério que eu realizava entre imigrantes em prisões dos Estado de Massachusetts.

O montante enviado, convertido na moeda norte-americana, perdia em muito o valor monetário. No entanto, isso teve um impacto muito grande entre os irmãos da PCUSA que, acostumados a ajudar financeiramente muitas denominações ao redor do mundo, pela primeira vez estava recebendo ajuda financeira. “Isso nos obriga a aprender a receber”, comentou un dos líderes do presbitério norte-americano.

Enfim, eu poderia me estender falando das inúmeras vidas tocadas por Deus através daquela parceria.

Somente através do ministério nas prisões, o qual foi possível por causa daquela parceria, pessoas de mais de 30 diferentes países foram consolados e desafiados para uma vida nova com Cristo.

Oxalá possamos um dia re-estabelecer aquela parceria que só causou bem para ambas as igrejas.

Rev. Gerson Mendonça Annunciação
Pastor da IPIB servindo a Deus nos Estados Unidos

One thought on “FRUTOS DA PARCERIA ENTRE A IPIB E A PCUSA

  • 23 de fevereiro, 2022 em 22:06
    Permalink

    Rev. Gerson Mendonça Annunciação
    Prezado Rev. Gerson, estamos num projeto de plantação de uma IPIB em São Carlos-SP. São Carlos é uma cidade foco, jovem, 250.000 habitantes, no centro-oeste paulista, que conta com duas grandes universidades e várias indústrias e centro tecnológico de desenvolvimento. Estamos plantados desde 2016, numa parceria da Catedral Evangélica de São Paulo e a Secretaria de Evangelização da IPIB, mas precisamos mais gente, mais famílias que ajudem a formar um núcleo operacional.
    Fico feliz pela plantação da igreja citada, e oramos para que esse escrito, pela ação do Espírito Santo de Deus, encontre eco no coração dos amados e sejamos abençoados com mais famílias e mais membros para a nossa comunidade.
    Dioraci Vieira Machado (presbítero da 1ªIPI de São Paulo)

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O ESTANDARTE